Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘fracasso’

alexandre-gama

Assisti na semana passada a primeira aula do curso Grandes Publicitários, na Casa do Saber, com Alexandre Gama, da agência Neogama. O organizador do curso e entrevistador é o também publicitário Celso Loducca, da Loducca. Escrevi um rápido post com meus motivos para fazer esse curso.

Fiz uma série de anotações em mapas mentais rascunhos, que é a maneira que mais gosto de escrever em reuniões e palestras. Escrevo para me lembrar depois e escrevo para me lembrar na hora. Acredito que penso melhor, presto mais atenção e capto mais os pontos importantes quando anoto.

Abaixo, Alexandre Gama, por ele mesmo, com meus pitacos.

Estilo pessoal:

  • Sou tímido, competitivo e curioso.
  • Sou mais injusto comigo mesmo, do que com os outros.
  • Aos 17 anos, praticava 6h por dia de violão.
  • Muito medo de ter o rabo preso. De dever favores, de poderem jogar na minha cara. Minha ética vem mais do medo.
  • Sou cada vez mais impermeável ao que os outros acham de mim.
  • Quero ser o melhor em cada função que faço.
  • Não sou o líder ideal. Sei que não dou muita direção. Não fico em cima. E não dou conforto.
  • Se fosse dar um conselho para ele mesmo, quando mais jovem: “pega mais leve…” Não colou, pelo menos para mim.
  • Quero ser o “ghost in the machine”, que muda as coisas, por dentro, sem que a máquina perceba.

neogama-agencia

Agências:

  • A coisa mais difícil é entrar em uma agência, a segunda é ficar. :-)
  • Uma “grande mentira é: entre na função que der, depois, lá dentro, você muda”.
  • Prêmio é uma escada que te ajuda no começo, mas não é tudo.
  • Nas perguntas contou a história do garoto que foi na agência e gravou um vídeo dizendo “eu quero trabalhar aqui..” e com isso ganhou um estágio lá. Disse: foi um bom comercial de de 30″, chamou a atenção, agora precisa provar que é um bom produto.

Publicidade:

  • Sobre o poder (maléfico) da publicidade: é apenas uma ferramenta. Quem deve levar a culpa, a mão que usa, ou a ferramenta que é usada?
  • Nossa sociedade é de consumo. Tudo é baseado no consumo. A publicidade é uma parte disso. É preciso criticar, discutir a sociedade, daí passar pela publicidade. E não o inverso.
  • “Não faço publicidade, eu tenho ideias”. Eu achei meio batido.
  • O Bradesco apareceu muito mais quando focou num tema só (Banco do Plantea), gastando a mesma coisa.

Dicas sobre carreira, para publicitários:

  • Pouca gente dá valor ao texto. Escrever bem é pensar bem.
  • Bom redator é um bom planejador.
  • Para escrever melhor é preciso ler melhor (e mais) e escrever mais.
  • Não me dê liberdade, me dê foco. O poder da escassez.
  • Quem não tem nada, não tem nada a perder. Pode arriscar tudo.

Internet

  • Internet é apenas uma ferramenta dentro da caixa de ferramentas. Pareceu ainda não ter comprado a ideia de que a internet está mudando e muito a vida das pessoas. E que vai mudar muito ainda. Deu um exemplo de uma campanha só pela internet que não vendeu carros. Mas não disse quando, nem como. Achei estranho. Talvez uma forma de contar que outra agência não entregou e eles sim.

Ideia prima e War Map

  • Procura criar para cada cliente uma “ideia prima”, que posiciona, diferencia a empresa, que desloca a concorrência.
  • Junto entrega um “War Map” com as ações a serem tomadas.
  • Gostei desses dois conceitos, mas deve ser difícil que isso funciona na prática mesmo. Um dos clientes deles é a TIM. Mesmo com um war map e uma ideia prima, me parece que é uma empresa, n oserviço, atendimento, etc, muito parecida com a Claro e Vivo.

Empreendendo:

  • Fundou a Neogama em 99-00, em plena desvalorização cambial.
  • Qual o valor de uma agência quando a economia pára? Muito pouco. Mas decidiu ir em frente: pau na máquina.
  • Há uma grande diferença entre o bravo e o corajoso. O bravo é aquele que enfrenta, sem saber o tamanho da encrenca. O corajoso é aquele que calcula, avalia, conhece, e mesmo assim enfrenta o problema. Gostei muito dessa parte, e vi que muitas vezes sou mais bravo do que corajoso, que é mais difícil (e mais eficiente). :-)
  • O Brasil é uma montanha russa. O brasileiro bom é aquele que entende isso, e entra nesse jogo, aproveita, aprende e ganha. É aquele que compra o ingresso da montanha russa.
  • Nosso primeiro posicionamento foi: tirar o máximo do mínimo. Dar resultado.

Sobre sucesso, fracasso e persistência:

  • Nenhum fracasso determina seu destino. Não acaba com você. Sabendo disso fica mais fácil passar por cima dos erros.
  • O medo do fracasso muitas vezes é o medo do julgamento dos outros.
  • No início, pensava com freqência: “hoje vão me desmascarar… hoje vão descobrir que não sou genial…” :-)
  • Vencer não é o contrário de perder, mas de desistir.
  • Sucesso é fazer o que te dá muito prazer e você faz muito bem. Não fiquei muito rico, apenas me casei uma vez só. Uma piada com o Loducca, que parece ter várias ex-mulheres (que são para sempre, como me disse um amigo certa vez).
  • Se programou para cada etapa de sua carreira. E isso ajudou.
  • Acredito no talento, mas é preciso suar. O cérebro, o talento é como um músculo, que precisa ser exercitado, para melhorar.
  • Quando você não desiste, o mundo desiste de você. Daí vem o sucesso.
  • Tem gente que tem medo de mostrar seu trabalho. Quem não tem esse medo, chega mais longe.
  • Quero fazer coisas grandes. Porque posso. E porque devo.

Sustentabilidade:

  • Lucro é a mola do capitalismo. A sustentabilidade precisa se estabelecer usando o lucro como mola, como impulsionador.
  • Falou várias vezes sobre sustentabilidade, sobre seu interesse nessa área. Parecia até que iria montar uma nova empresa. Que iria se tornar um empreendedor social, ou algo do gênero.
  • Mas achei que ele estava equivocado, que ainda não entendeu o conceito. Deu um exemplo do “bolsa floresta”, onde um amazonida recebe um bolsa família se preservar a floresta de sua pequena propriedade.

Agência como empresa:

  • Nas perguntas, fui o primeiro, e mandei: “como você faz para separar e reforçar sua imagem pessoal e de sua empresa, e para que um ajude o outro?”
  • Com base na resposta, penso que a agência dele parece ser mais um “gênio com mil ajudantes” do que um “exército de generais”, para usar uma expressão do Jim Collins.

Meus comentários

  • Extremamente criativo e bem sucedido, mas focado em criar sua empresa, com seu nome. A empresa parece ser uma forma de ampliar a pessoa, o brilhe dele (que é grande).
  • Falou muito sobre sustentabilidade, mas me pareceu compreender pouco profundamente o tema, que exige uma mudança estrutural nos negócios, exige um foco no longo prazo, exige muitas vezes mudanças que vão contra as fontes atuais de lucro da empresa. Sustentabilidade é muito mais do que uma campanha, ou do que fazer tudo em papel reciclado.
  • O que mais gostei: persistência, acreditar em si mesmo, planejamento, talento + suor. Quem vai longe não tem medo de parecer bom.

Meu sócio, Marcelo Carvalho, também está fazendo o curso e escreveu um post com as impressões dele. Interessante que optei por ler só depois de escrever a minha, e ficou bem diferente o formato, mas com vários pontos em comum.

Anúncios

Read Full Post »

Workshop Pecuária Sustentável - Fotos

Semana passada realizei um evento de um dia, em São Paulo, sobre pecuária sustentável. O evento era bem diferente de todos os que a AgriPoint já realizou e o primeiro que eu seria o principal responsável, (incluindo eventual fracasso, rs..).

Como era o formato do evento:

  • 18 palestras de 20 minutos cada
  • tudo gravado, para internet
  • produção de DVDs com as palestras
  • re-transmissão pelo Canal Rural
  • produção de conteúdo para o BeefPoint (slides e textos, além dos vídeos)
  • coffee-breaks de uma hora

Deu tudo certo. Público, palestrantes e parceiros ficaram muito satisfeitos. Nós também ficamos. E eu fiquei muito contente em ter conseguido inovar, de forma bem sucedida. Mas eu também fiquei bastante nervoso, apreensivo, em especial no início da manhã do evento, quando muita coisa ainda precisava ser feita.

Depois que o dia passou, me lembrei que as coisas boas são difíceis. Para crescer é preciso sair da zona de conforto. É preciso arriscar, se colocar numa posição mais frágil do que a de segurança que você já está acostumado. Senti bem na pele, de uma forma bem intensa, o que inclusive me ajudou a refletir depois aqui.

Sair da zona de conforto para mim é, apesar de desconfortável, a maneira de viver bem, se sentir realizado, deixar sua marca, fazer a diferença. Talvez seja uma forma de se sentir vivo.

Preciso fazer isso mais vezes. Quem sabe todo dia. :-)

Read Full Post »

Na última quinta-feira, 19 de março, participei (inclusive como palestrante) do evento Epicentro organizado pelo Ricardo Jordão, da BizRevolution, com o apoio da IT Mídia. O evento foi muito bacana por uma série de motivos, mas está recebendo duras críticas (com razão) devido a uma (importante) falha. Acompanhe abaixo meus comentários sobre o evento e mande os seus também.

Palestrantes

Ricardo conseguiu reunir uma turma incrível de palestrantes. Gente de formações muito diversas, com ideias que realmente valiam a pena espalhar. Ideias que te faziam pensar. Como me disse um amigo, brincando: “Cara, fora você, só tem gente top nesse Epicentro”. Concordo com ele, com exceção do “fora você”. :)

Gente interessante, diferente e inteligente. Me vi conversando com um filósofo e um defensor do software livre ao mesmo tempo. Aprendendo, refletindo e me divertindo. Uma das coisas que mais gosto na vida é conversar com gente inteligente e o Epicentro foi um lugar especial para isso.

Entre os palestrantes, o que mais me chamou a atenção foi o Ricardo ter convidado o Grabriel Peixoto para palestrar. Peixoto é o mais ferrenho crítico do Ricardo no blog dele. Extremamente agressivo e crítico. Sempre desconstruindo os outros e construindo pouco ou nada. Pelo que conhecia dele (seus comentários no blog do Ricardo), eu nunca o convidaria para um evento.

E não é o que Peixoto surpreendeu? Fez a palestra antes da minha: ótima presença de palco, bom humor de sobra e uma mensagem bacana, de que é possível tornar a educação mais agradável e efetiva usando o marketing. Ele deu um exemplo bacana de como ensina xadrez para pessoas semi-analfabetas. Muito bacana mesmo. Foi uma mostra de que o Ricardo é mesmo um fã do ser humano.

Contatos

No Epicentro, consegui encontrar vários amigos. Consegui apresentar amigos que não se conheciam. Consegui conhecer amigos de amigos. Um papo bom, descontraído e divertido. Foi uma das coisas mais legais do evento.

Palestrar

Apresentar uma palestra no evento foi uma realização pessoal para mim. Estava um pouco ansioso. Tinha preparado com muito empenho minha palestra, sobre um tema que nunca tinha falado, muito menos em tão pouco tempo. Achei o resultado muito bom, mesmo com o passador de slides tendo pregado algumas peças em mim. Espero que essa sensação continue quando eu assistir o vídeo. :)

Vídeos

Todas as palestras foram gravadas na íntegra e serão colocadas na web. Até o formato (curto – máximo de 20 minutos) vai ajudar, pois pouca gente suporta uma palestra de 60 minutos assistindo em vídeo, no computador.

Achei essa ideia fantástica. Muitos vão falar que não é uma ideia nova, mas eu não tenho visto isso implementado em nenhum lugar aqui no Brasil. Muito bacana e vai dar vida longa a essa primeira edição do evento. Assim espero.

Expectativa pré-evento

O Epicentro foi um dos eventos divulgados com maior sucesso que já vi. Um buzz enorme na internet. Uma polarização das pessoas, uns falando mal, outros bem. Em pouco mais de um mês, o evento foi idealizado, montado, divulgado. E conseguiu mais de 1.700 incrições, presenciais e online em tempo real, somadas. Um sucesso incrível. Como disse um amigo meu no Twitter, “É, parece que esse Epicentro pegou mesmo…”, quando chegava ao local do evento.

O local do evento

O Epicentro foi realizado no escritório da IT Mídia, na Av. Berrini em São Paulo. O lugar tinha uma vista incrível, mas era pequeno demais para o tamanho do evento. O auditório era uma sala de aulas, com umas 50 cadeiras. Impossível comportar a turma que se inscreveu para o evento. Quem assistia pela web também reclamou que o sistema baleiou inúmeras vezes.

Muita gente inscrita não conseguiu entrar. Muita gente inscrita conseguiu entrar no local, mas não na sala. Quem ouvia pela internet teve muitos problemas. Isso gerou uma frustração, justa, em muita gente. E isso terá um preço para os organizadores.

Próximo Epicentro

O Epicentro 2 já tem data marcada, 8 de outubro. Provavelmente será um sucesso. As falhas do primeiro serão um dificultador a mais para realizar o próximo. Os erros podem ser corrigidos.

Torço muito pelo Ricardo. O Epicentro 1 superou todas as expectativas em todos os sentidos. E teve uma falha apenas – a infra-estrutura do evento (presencial e online) foram dimensionadas com um erro grande. Mesmo assim, torço muito pelo Ricardo. Ele faz um trabalho bacana, de difusão de conhecimento, de mostrar as coisas boas que estão acontecendo no Brasil. É um cara que me ajuda, só de conversar comigo. É um cara que quer realizar muito, e mesmo errando, não desiste, não fraqueja.

Para mim, o Epicentro 1 foi um aprendizado, um lembrete de que não adianta fazer tudo certo e errar no básico. Foi também uma inspiração para organizar mais eventos, para mostrar o que há de bom sendo feito no Brasil. Mãos a obra.

Read Full Post »

vaca_roxa

Hoje no início da noite fui conversar com o pessoal da Sabiá, sobre o que li, aprendi e mais gostei sobre o Seth Godin, a convite do Eduardo Carvalho. Foi uma conversa bacana, inteligente, sobre um tema que gosto muito: marketing com Seth Godin.

Resolvi tentar fazer um resumo rápido das principais idéias aqui, que considero mais relevantes.

Sobre internet

  • Internet dá cada vez mais poder ao consumidor.
  • Com a internet, blogs, redes sociais, e twitter, fica cada vez mais fácil encontrar pessoas como você, mesmo que distantes geograficamente.

Sobre fazer palestras

  • Tenha um bom PowerPoint, use poucas palavras, use boas imagens, não use como tele-prompter, não leia os slides.
  • Converse com seu público, mas com muita emoção.

Sobre livros e música

  • Livro é souvenir. Vende pelo produto, pela ligação, pelo símbolo. O conteúdo muitas vezes está online, de graça.
  • Música é um mercado de fã-clube, de experiências, de relacionamento, de tribos. Não se ganhará mais dinheiro vendendo CDs.

Sobre marketing

  • O que tem valor é escasso, e vice-versa.
  • interrupção não – propaganda que interrompe e não relevante não funciona cada vez menos.
  • permissão sim – propaganda relevante, para seu público, funciona cada dia mais.
  • crie um produto marcante, especial, único (vaca roxa), que os clientes aparecerão.
  • faça com que seus produtos vaca roxa tenham características que tornem fácil falar sobre eles, mostrar, contar, divulgar, explicar. Ninguém fala de idéias e produtos chatos ou complexos. Torne-os virais.
  • Não fale de atributos ou benefícios, conte histórias, que tenham relação com o seu público alvo, e que muito provavelmente não vão agradar a quem não é seu público alvo.
  • Escolha seu nicho. Tentar vender para todos é a maneira mais fácil de não vender para ninguém.
  • O sucesso está nos extremos, nos nichos. Os carros em falta hoje nos EUA são extremos: Hummer, Mini Cooper, Tesla.
  • Não tente usar as novas técnicas de marketing (internet, interação, participação) com um velho mindset (controle, produtos médios para a massa da população).
  • Tenha um blog para que as pessoas conheçam você, seu trabalho, suas idéias. Daí você pode vender, arrumar emprego, trabalho.

Sobre vendas

  • Um bom produto se vende sozinho.
  • Como fazer um livro best-seller? Venda um livro, para alguém que adore seu livro e comece a fazer propaganda boca-a-boca.

Sobre sucesso e fracasso

  • Vencedores também desistem, e perdedores também são persistentes. O segredo está em escolher onde persistir e onde desistir. Escolha onde você pode, quer, acredita ser o melhor do mundo. O seu mundo, seu nicho, seu espaço.
  • A dificuldade de alcançar o sucesso (The Dip) é o que vai separar os vencedores da massa. Vai criar escassez, vai premiar os vencedores. Quanto mais longo e fundo a “barrigada” do esforço X resultados, maior o prêmio de quem ultrapassa o vale.
  • Tenha paciência. O sucesso demora, para chegar, mais do que alguns dias ou semanas.
  • Ser pequeno é bom. Pequeno pode significar rapidez, flexibilidade, baixo custo, intimidade com o cliente.
  • Tenha foco. Quem vigia dois fogões, dorme sem janta.
  • Faça o que gosta, ou aprenda a gostar do que faz. Quem tem sucesso, faz o que gosta (e não tem que fazer).
  • Se pergunte no início do dia: O que vou produzir hoje? Ou, o que vou despachar/entregar hoje? Pense em “entregar” um produto acabado todos os dias. Geralmente seu dia, por mais que tenha inúmeras ações, pode ser resumido em bem ou mal sucedido, ao se falar em 1-2 coisas apenas.

Sobre design de sites

  • Seja simples.
  • Seja objetivo. Apenas um objetivo por página. Ajude quem acessa a encontrar o que quer, e o que você quer.
  • Não confunda seu cliente-internauta-usuário.

E ainda, o famoso slide 78 da palestra Meatball Sundae.

seth_godin

E ele é o único guru de marketing que tem um personagem.

sethgodinactionfigure

Por último: melhor ser um ótimo comunicador, do que um teórico criador de teorias. Melhor saber explicar e facilitar a mudança, do que ser o especialista que estudou a fundo um tema, mas não sabe como transformar em informação útil, aplicável.

Read Full Post »

Fracassos famosos

Vídeo em inglês no youtube, bem montado, simples, sobre exemplos clássicos de pessoas famosas que fracassaram. Entre outros:

  • Michael Jordan não era bom jogador de basquete.
  • Walt Disney era pouco criativo.

A frase final é boa: se você nunca falhou, é porque nunca viveu. Viver = arriscar.

A dica é do Ben Casnocha, que manda uma newsletter pessoal a cada 3 meses aos amigos.

Acabei achando, nos relacionados, esse vídeo, de um comercial da Nike com o Michael Jordan.

Read Full Post »