Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘carreira’

Apresentei no dia 24/08 uma palestra na Esalq-USP sobre minha experiência profissional. Foi um convite, pela terceira vez, do Prof. Paulo Machado, do departamento de zootecnia. Como nas vezes anteriores, a experiência foi muito boa, pois tenho cada vez mais certeza que “passando o que sabe, você aprende o que ensina” (Cora Coralina).

Veja os slides.

Fiz algumas anotações dos pontos principais, abaixo.

Quem sou eu

Pai, corredor, blogueiro, empreendedor, agronômo. Apreciador de cafés especiais, cervejas artesanais, bom vinho, boa gastronomia, e é claro, uma ótima carne bovina. Gosto de tecnologia, gadgets e internet. Adoro livros, em especial de negócios. Como disse um amigo numa entrevista certa vez, estou tentando descobrir quem sou eu.

Sobre a AgriPoint

Rede de comunidades online focadas em segmentos do agronegócio (carne, leite, café e ovinos/caprinos). Mais de 165 mil usuários cadastrados, crescendo 3.000/mês, de mais de 100 países. Nosso forte: conhecimento e relacionamento nesses setores que atuamos. Realizamos eventos presenciais desde 2001, com grande sucesso. Desde 2000, realizamos cursos online, com mais de 130 realizados e 12.000 inscrições.

Minha experiência na Esalq-USP

Me formei em 2001 (entrei em 1997). Minhas áreas de interesse eram pecuária de corte e economia/administração. Em 99-2000, passei um ano no Arizona, como aluno de intercâmbio, que foi uma experiência e tanto (inesquecível), que recomendo a todos, por ampliar visão de mundo, ganhar conhecimento geral, experiência com outras culturas. Saindo da palestra uma menina veio me contar que voltava de 3 semanas na China, como bolsista. Fique com uma inveja boa. O que mais aprendi na Esalq foi: relacionamento, comunicação e ser mais extrovertido.

O que venho aprendendo depois que saí da faculdade

A melhor escola é da vida, mas é a que cobra mais caro, já dizia um velho amigo do meu pai. No trabalho, no dia-a-dia é onde você aprende o que há de mais valioso. Mas geralmente esse aprendizado vem com os erros, que podem te custar caro: seu emprego, sua imagem, seus cabelos, seu sono. Mas o pior de tudo é não aprender com um erro. Como disse Jim Collins: uma crise é uma coisa muito ruim de se desperdiçar.

Ter metas e planos por escrito faz (muita) diferença. Isso era uma coisa que não acreditava muito, mas é incrível como funciona. Quem tem muito sucesso, invariavelmente tem seus planos no papel. Christian Barbosa não se cansa de dizer isso.

Procurar se conhecer mais, e trabalhar para ser aquilo que podemos ser, desenvolver nossas características únicas, em seu máximo, é muito melhor (em todos os sentidos) do que tentar copiar alguém. Isso eu aprendi na vida, na terapia e ouvindo o audiolivro Quando Nietzsche chorou.

Pense grande, pois dá o mesmo trabalho que pensar pequeno :-) O problema de pensar pequeno é que pode dar certo.

Aprenda tudo que puder sobre vendas e negociação. Por mais que você queira negar, fazemos isso todo dia, várias vezes. Esse é um tema neglicenciado na faculdade, muitas vezes até “proibido”.

Procure ter alguém como conselheiro, mentor. Uma maneira de você conversar com uma pessoa mais experiente, que pode te ajudar a fazer você chegar onde quer. Eu imagino que aqui o objetivo é sair com melhores perguntas e não com respostas.

Todo projeto depende de: planejamento, execução e também acaso. Essa eu aprendi com o Carlos Alberto Júlio. Tem gente que acha que é só planejar, que as coisas acontecem “automaticamente”. Ledo engano. Plano fraco com execução forte tem mais chances de sucesso do que o inverso. E tem gente que esquece que sempre tem o acaso, sorte ou azar, ajudando ou atrapalhando no resultado.

“Mais importante do que querer vencer, é querer treinar” Bernardinho. Todo mundo quer as glórias da vitória, mas poucos querem pagar o preço. Acordar cedo, treinar longas horas.

Aprenda e escrever artigos, posts, o que for. Quem escreve bem, pensa melhor. Tenha um blog – para pensar, para ensinar, para aprender, para conhecer novas pessoas. Contei que conheci meu amigo Eduardo Carvalho pelo blog dele.

Aprenda a falar em público, para uma pessoa, ou para mil. É uma habilidade que vai te ajudar muito.

O sucesso é proporcional a sua disposição em encarar situações que te tiram da zona de conforto.

Algumas dicas rápidas, a maioria de livros e leituras:

  • Lembrei do post do Marc Andreessen sobre contratação – energia, curiosidade e ética são fundamentais.
  • O que você tem de especial, de diferente, de notável? Uma pergunta que resume o ótimo livro Vaca Roxa, do Seth Godin.
  • O sucesso demora para chegar (quando chega). Só quem está disposto a pagar esse preço vê o outro lado do vale (livro The Dip).
  • Conhecimento, relacionamento e querer o bem dos outros são três pilares do sucesso profissional (livro Amor é a melhor estratégia).
  • Ter foco é como cuidar de uma fogueira. Se você tenta acender várias ao mesmo tempo, pode acabar com frio.
  • Conceito do porco espinho: encontre algo que saiba fazer muito bem, goste de fazer e tenha alguém querendo te pagar por isso. (livro Good to great)
  • O que é sucesso: lucro, aprendizado, satisfação do cliente e inovação – de uma conversa por telefone com Ricardo da BizRevolution (eu inclui também diversão).
  • Uma boa maneira de medir sua eficácia é se perguntar: o que entreguei/despachei hoje. Ou seja, qual foi o resultado real do meu trabalho. Outra forma é se perguntar: estou ocupado ou produtivo?
  • Não faço, nem pretendo fazer MBA. Procuro aprender e me atualizar fazendo 3 coisas: lendo, conhecendo pessoas e participando de 2 eventos curtos por ano. Vale a pena ver o site Personal MBA.No domingo anterior a palestra, li a frase “Trying to suck less daily” – melhorando apenas um pouco todo dia, podemos ser muito melhores (no blog do Loic Le Meur).
  • Marcar uma conversa, um café, com pessoas especiais, de grande sucesso, pode ser muito mais fácil do que se imagina. Basta tentar. Esteja aberto a conhecer pessoas aleatoriamente. A sorte pode te ajudar.
  • Use mapas mentais par aanotar suas ideias – é fácil, rápido e ajuda muito. Anote tudo que puder em reuniões, conversas e aulas. Anotar te ajuda a fixar agora e a se lembrar depois.
  • Ensinar é a melhor forma que conheço de aprender. Por isso fui lá fazer uma palestra.

As perguntas dos alunos, que achei muito boas. Abaixo duas:

  • Para que serve o Twitter? Não sei ao certo, mas pode servir para falar com grandes audiências e receber feedback. E eu ganho várias visitas no blog graças ao twitter. Me acompanhe aqui. :-)
  • Como gerencio meu tempo? Sugeri ler o livro GTD do David Allen e Tríade do Tempo do Christian Barbosa.

Obrigado a todos e em especial ao Prof Paulo Machado, pelo convite e oportunidade. Se você quer ver os slides no Slideshare, acesse aqui.

Trying to suck less daily.
Anúncios

Read Full Post »

alexandre-gama

Assisti na semana passada a primeira aula do curso Grandes Publicitários, na Casa do Saber, com Alexandre Gama, da agência Neogama. O organizador do curso e entrevistador é o também publicitário Celso Loducca, da Loducca. Escrevi um rápido post com meus motivos para fazer esse curso.

Fiz uma série de anotações em mapas mentais rascunhos, que é a maneira que mais gosto de escrever em reuniões e palestras. Escrevo para me lembrar depois e escrevo para me lembrar na hora. Acredito que penso melhor, presto mais atenção e capto mais os pontos importantes quando anoto.

Abaixo, Alexandre Gama, por ele mesmo, com meus pitacos.

Estilo pessoal:

  • Sou tímido, competitivo e curioso.
  • Sou mais injusto comigo mesmo, do que com os outros.
  • Aos 17 anos, praticava 6h por dia de violão.
  • Muito medo de ter o rabo preso. De dever favores, de poderem jogar na minha cara. Minha ética vem mais do medo.
  • Sou cada vez mais impermeável ao que os outros acham de mim.
  • Quero ser o melhor em cada função que faço.
  • Não sou o líder ideal. Sei que não dou muita direção. Não fico em cima. E não dou conforto.
  • Se fosse dar um conselho para ele mesmo, quando mais jovem: “pega mais leve…” Não colou, pelo menos para mim.
  • Quero ser o “ghost in the machine”, que muda as coisas, por dentro, sem que a máquina perceba.

neogama-agencia

Agências:

  • A coisa mais difícil é entrar em uma agência, a segunda é ficar. :-)
  • Uma “grande mentira é: entre na função que der, depois, lá dentro, você muda”.
  • Prêmio é uma escada que te ajuda no começo, mas não é tudo.
  • Nas perguntas contou a história do garoto que foi na agência e gravou um vídeo dizendo “eu quero trabalhar aqui..” e com isso ganhou um estágio lá. Disse: foi um bom comercial de de 30″, chamou a atenção, agora precisa provar que é um bom produto.

Publicidade:

  • Sobre o poder (maléfico) da publicidade: é apenas uma ferramenta. Quem deve levar a culpa, a mão que usa, ou a ferramenta que é usada?
  • Nossa sociedade é de consumo. Tudo é baseado no consumo. A publicidade é uma parte disso. É preciso criticar, discutir a sociedade, daí passar pela publicidade. E não o inverso.
  • “Não faço publicidade, eu tenho ideias”. Eu achei meio batido.
  • O Bradesco apareceu muito mais quando focou num tema só (Banco do Plantea), gastando a mesma coisa.

Dicas sobre carreira, para publicitários:

  • Pouca gente dá valor ao texto. Escrever bem é pensar bem.
  • Bom redator é um bom planejador.
  • Para escrever melhor é preciso ler melhor (e mais) e escrever mais.
  • Não me dê liberdade, me dê foco. O poder da escassez.
  • Quem não tem nada, não tem nada a perder. Pode arriscar tudo.

Internet

  • Internet é apenas uma ferramenta dentro da caixa de ferramentas. Pareceu ainda não ter comprado a ideia de que a internet está mudando e muito a vida das pessoas. E que vai mudar muito ainda. Deu um exemplo de uma campanha só pela internet que não vendeu carros. Mas não disse quando, nem como. Achei estranho. Talvez uma forma de contar que outra agência não entregou e eles sim.

Ideia prima e War Map

  • Procura criar para cada cliente uma “ideia prima”, que posiciona, diferencia a empresa, que desloca a concorrência.
  • Junto entrega um “War Map” com as ações a serem tomadas.
  • Gostei desses dois conceitos, mas deve ser difícil que isso funciona na prática mesmo. Um dos clientes deles é a TIM. Mesmo com um war map e uma ideia prima, me parece que é uma empresa, n oserviço, atendimento, etc, muito parecida com a Claro e Vivo.

Empreendendo:

  • Fundou a Neogama em 99-00, em plena desvalorização cambial.
  • Qual o valor de uma agência quando a economia pára? Muito pouco. Mas decidiu ir em frente: pau na máquina.
  • Há uma grande diferença entre o bravo e o corajoso. O bravo é aquele que enfrenta, sem saber o tamanho da encrenca. O corajoso é aquele que calcula, avalia, conhece, e mesmo assim enfrenta o problema. Gostei muito dessa parte, e vi que muitas vezes sou mais bravo do que corajoso, que é mais difícil (e mais eficiente). :-)
  • O Brasil é uma montanha russa. O brasileiro bom é aquele que entende isso, e entra nesse jogo, aproveita, aprende e ganha. É aquele que compra o ingresso da montanha russa.
  • Nosso primeiro posicionamento foi: tirar o máximo do mínimo. Dar resultado.

Sobre sucesso, fracasso e persistência:

  • Nenhum fracasso determina seu destino. Não acaba com você. Sabendo disso fica mais fácil passar por cima dos erros.
  • O medo do fracasso muitas vezes é o medo do julgamento dos outros.
  • No início, pensava com freqência: “hoje vão me desmascarar… hoje vão descobrir que não sou genial…” :-)
  • Vencer não é o contrário de perder, mas de desistir.
  • Sucesso é fazer o que te dá muito prazer e você faz muito bem. Não fiquei muito rico, apenas me casei uma vez só. Uma piada com o Loducca, que parece ter várias ex-mulheres (que são para sempre, como me disse um amigo certa vez).
  • Se programou para cada etapa de sua carreira. E isso ajudou.
  • Acredito no talento, mas é preciso suar. O cérebro, o talento é como um músculo, que precisa ser exercitado, para melhorar.
  • Quando você não desiste, o mundo desiste de você. Daí vem o sucesso.
  • Tem gente que tem medo de mostrar seu trabalho. Quem não tem esse medo, chega mais longe.
  • Quero fazer coisas grandes. Porque posso. E porque devo.

Sustentabilidade:

  • Lucro é a mola do capitalismo. A sustentabilidade precisa se estabelecer usando o lucro como mola, como impulsionador.
  • Falou várias vezes sobre sustentabilidade, sobre seu interesse nessa área. Parecia até que iria montar uma nova empresa. Que iria se tornar um empreendedor social, ou algo do gênero.
  • Mas achei que ele estava equivocado, que ainda não entendeu o conceito. Deu um exemplo do “bolsa floresta”, onde um amazonida recebe um bolsa família se preservar a floresta de sua pequena propriedade.

Agência como empresa:

  • Nas perguntas, fui o primeiro, e mandei: “como você faz para separar e reforçar sua imagem pessoal e de sua empresa, e para que um ajude o outro?”
  • Com base na resposta, penso que a agência dele parece ser mais um “gênio com mil ajudantes” do que um “exército de generais”, para usar uma expressão do Jim Collins.

Meus comentários

  • Extremamente criativo e bem sucedido, mas focado em criar sua empresa, com seu nome. A empresa parece ser uma forma de ampliar a pessoa, o brilhe dele (que é grande).
  • Falou muito sobre sustentabilidade, mas me pareceu compreender pouco profundamente o tema, que exige uma mudança estrutural nos negócios, exige um foco no longo prazo, exige muitas vezes mudanças que vão contra as fontes atuais de lucro da empresa. Sustentabilidade é muito mais do que uma campanha, ou do que fazer tudo em papel reciclado.
  • O que mais gostei: persistência, acreditar em si mesmo, planejamento, talento + suor. Quem vai longe não tem medo de parecer bom.

Meu sócio, Marcelo Carvalho, também está fazendo o curso e escreveu um post com as impressões dele. Interessante que optei por ler só depois de escrever a minha, e ficou bem diferente o formato, mas com vários pontos em comum.

Read Full Post »