Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘ny times’

Hoje é o lançamento do iPad. Quem encomendou nos EUA, hoje vai as lojas da Apple buscar seu brinquedinho. O aparelho está fazendo muito sucesso. Li algumas coisas bem interessantes que me levaram a uma reflexão, levando em conta minha experiência e opinião.

O iPad, como tudo da Apple, é um sistema fechado, ou seja, a empresa tem um controle grande do que entra (o que pode ser instalado, usado, etc). Cada vez mais os sistemas abertos ganham espaço. A grande vantagem de um sistema fechado como o da Apple é que geralmente dá muito menos problema (trava, bugs, etc).

A mídia tradicional nos EUA está apostando todas as fichas no iPad. Acreditam que vai ser a salvação da mídia impressa (jornais, revistas, etc). Eu acho que não vai ser tão fácil assim.

Marc Andreessen, que criou o Netscape, e é uma das pessoas que mais respeito e admiro na internet, deu uma entrevista ao Techcrunch, que deram o título de Burn the boats. Marc recomenda que as empresas de mídias tradicionais fechem suas edições impressas. Só assim elas teriam capacidade de olhar com o cuidado necessário sua operação online e também não teriam o apego (chamado de sunk cost, ou custo afundado) por já terem investido muito na estrutura ligada a operação impressa. Dificilmente as empresas irão fazer isso, e dificilmente (na minha opinião) irão conseguir superar empresas que só operam no online.

Marc perguntou ao reporter do Techcrunch se eles estavam pensando em lançar uma app paga para iPad, com o conteúdo do blog Techcrunch (um dos mais respeitados sobre tecnologia e startups nos EUA). O reporter quase não entendeu a pergunta e fez uma cara de que o cara estava viajando, ou brincando. Marc explicou: o que parece uma piada para um site como o Techcrunch, é a principal estratégia dos sites dos grandes jornais. Porque é tão diferente? Será que os jornais estão míopes?

Outro texto que me levou a uma reflexão foi a piada de 1 de abril do Techcrunh. Eles pegaram o release de 1996 que o NYTimes divulgou quando lançaram o site deles, e trocaram as palavras “web site” por “iPad”. Fez sentido, até um colunista do NYT retuitou o post e o jurídico do NYT entrou em contato pedindo para tirar o texto do ar. A grande piada é que o texto de 1996 com o termo iPad faz todo sentido em relação ao posicionamento dos jornais no iPad em 2010. Ou seja, eles achavam que iriam dominar a web em 96 (o que não aconteceu), da mesma forma que acreditam que o iPad vai ajudá-los a retomar sua posição de monopólio que tinham antes da informação (não deve acontecer rs..).

Cory Doctorow escreveu um post muito interessante no blog dele (Boing Boing) falando porque não irá comprar um iPad (e porque você não deveria). Os principais motivos: sistema fechado, trata o usuário com idiota, usa DRM e contratos leoninos com produtores de conteúdo e consumidores. Ele dá dois exemplos muito interessantes que te estimulam a pensar.

O primeiro é uma comparação do iPad com o CD-Rom, que muitos venderam como a revolução do conteúdo. Não aconteceu, a revolução do conteúdo ocorreu com a internet, com sua bagunça, baixíssima barreira de entrada e facilidade de qualquer um se tornar produtor de conteúdo (e não apenas consumidor).

O segundo exemplo é a app da Marvel (quadrinhos). Ele fala que é fã de quadrinhos e que uma das coisas mais legais de revistas em quadrinhos é poder emprestar, vender, dar para seus amigos. Com a app da Marvel nada disso é possível. Na opinião de Cory, a app da Marvel não tem nada de melhor do que a revista, apenas coisas piores (você não pode fazer várias coisas).

Nesse final de semana comecei a usar e testar o programa Thunderbird para gerenciar meus emails. Quero alguma coisa que funcione com Gmail e Google App (onde estão meus emaisl pessoais e profissionais). É incrível o incrível número de opções, de plugins, de customizações. E também a qualidade de como tudo funciona. Um detalhe: tudo é de graça. Me lembrei de uma frase que ouvi ano passado pela primeira vez: Where opensource enters, wins.

O iPad parece ser muito, muito fácil de usar. E isso é uma (ou a principal) grande vantagem da Apple. Produtos que simplesmente funcionam. Se você usa Windows, essa é uma qualidade que vale ouro. Estou usando cada vez mais produtos Apple (iPod, iPhone, Macbook Pro) e gostando muito da usabilidade, facilidade. É incrível como tudo parece automático, intuitivo.

Outra vantagem do iPhone e do iPad são as apps (programas) que você pode baixar gratuitamente ou pagando muito pouco. Eu tenho diversos pequenos programas no iPhone que me ajudam muito. Para corrida, para distrair meu filho de 2 anos, para ouvir música, tuitar, escrever, editar documentos, etc, etc. A lista é quase infinita. O iPad pode ser usado para algumas coisas que aumentam muito seu valor. Por exemplo: como porta-retrato digital, e como segundo monitor no Mac.

Me lembrei também do celular Nexus One, lançado pelo Google. Segundo um dos maiores especialistas em mobile marketing que conheço, é o melhor celular da atualidade, pela facilidade de uso, recursos, qualidade do aparelho, câmera, etc. A diferença em relação ao iPhone é que ele usa Android, uma plataforma aberta, opensource. Isso dá muito mais liberdade. Primeiro a Apple que não fazia celulares revoluciona o mercado, agora outra empresa de fora desse mercado parece dar o segundo passo. Cada vez mais quem não é do ramo pode/deve conduzir a revolução. Dificilmente a Microsoft vai gerar outra revolução depois das que já vez (computador pessoal, Office), mas outras empresas que trabalham muito bem a usabilidade dos produtos, mas não usam sistemas fechados, podem ultrapassar a Apple.

Eu quero comprar um iPad, até porque faz parte do meu trabalho (e interesse pessoal) entender de internet, gadgets e inovações que podem mudar/melhorar meu negócio. Mas começo a acreditar que empresas que saibam casar a grande vantagem da Apple (facilidade de uso) com sua grande desvantagem (sistema fechado) podem revolucionar ainda mais o mercado, com ótimos produtos (e mais baratos), que serão usados por muito mais gente. Minha aposta hoje (amanhã pode mudar) é que essa empresa é o Google.

Em tempo, escrevi sobre o iPad em janeiro aqui. Se você quer ver a melhor cobertura da fila de compra do iPad, siga o Robert Scoble.

E você, qual sua opinião?

Anúncios

Read Full Post »

Steve-Wadsworth-George-Bodenheimer-Disney-ESPN-Mixx

Steve Wadsworth e George Bodenheimer, altos executivos da Disney e ESPN (uma empresa da Disney, para minha surpresa), falaram da experiência de uma empresa que é líder em várias telas: TV, PC, celular. Foi uma palestra marcada pelo padrão americano de apresentação de executivos dos EUA, bem ensaiada. Parecem que tomam um grande cuidado de não falar nada fora do script. Mesmo assim foi interessante.

Alguns dos principais pontos que anotei e trouxe para cá:

  • Falaram que a ESPN há 10 anos deixou de ser uma empresa de televisão. O NY Times (jornal) também não quer ser jornal. :-)
  • “Nossa missão é servir fãs onde eles quiserem, não só na TV”. Distribuição de conteúdo agora é “everywhere”, para Disney e ESPN. A ESPN é pioneira em conteúdo e canais mobile.
  • “Compramos direitos de mídia (não apenas direitos de TV), e queremos transmitir de todas as formas”. Só a publicidade não vai pagar a conta toda. Estamos experimentando, um exemplo é a ESPN 360.
  • Um tema comum dos palestrantes do Mixx foi o foco no consumidor, não em um único canal de mídia para alcançá-lo. Talvez pensar só em internet também seja um erro (apesar da Amazon ser um sucesso).
  • “Vamos tentar nos diferenciar pela qualidade, pela marca, pela experiência”. Com barreiras de entrada diminuindo, marcas serão cada vez mais importantes.
  • A Disney é uma empresa que atua servindo clientes: mídia, parques, etc. Mas é preciso inovar sempre.
  • Um detalhe, muito importante do negócio da ESPN: 99% dos esportes são vistos ao vivo. É um dos únicos tipos de programa que precisam ser vistos ao vivo, logo ainda há um bom espaço para publicidade para TV. O exemplo clássico é o Super Bowl. Mas também é uma oportunidade para mobile.
  • “Patrocinar a barra inferior da tela do vídeo, com sua marca e informações de esportes é muito bom para quem anuncia. Temos como provar isso.”
  • “Clientes vem pagando menos por online do que analógico”. Diz não se preocupar. “O foco é qualidade, experiência do usuário”.

Gostei da apresentação, por mostrar uma empresa que atua classicamente na TV, mas está se aventurando (parece que com sucesso) em outros canais, como internet e movile. Por outro lado, fica muito claro que ninguém sabe muito bem onde tudo isso. Mesmos as grandes empresas, de sucesso, nos EUA, ainda estão “experimentando”. Quem bom. ;-)

Assista ao vídeo resumo da conversa:

Que ESPN: Há 10 anos deixamos de ser uma empresa de televisão.

NYTimes tb não quer ser empresa de midia

Nossa missao é servir fãs onde eles quiserem, não so TV

Compramos direitos de midia (não apenas direito de TV), e queremos transmitir de todas as formas

So a publicidade não vai pagar a conta toda

Estamos experimentando, exemplo ESPN 360

Common theme from speakers at MIXX – focus on the customer, not a single channel with which you reach them

Vamos tentar nos diferenciar pela qualidade, pela marca, pela experiencia.

Disney é uma empresa que atua servindo clientes: midia, parques, etc

Mas é preciso inovar sempre

Distribuicao de conteudo agora é everywhere para Disney e ESPN

Com barreiras de entrada diminuindo, marcas são cada vez mais importantes.

ESPN é pioneiro em mobile.

99% dos esportes são vistos ao vivo

É um dos únicos programas que precisam ser vistos ao vivo, ainda é um espaço para publicidade.

Mas também é uma oportunidade para mobile.

Patrocinar a barra inferior da tela do video, com sua marca e informações de esportes é muito bom para quem anuncia. Temos como provar isso.

Clientes vem pagando menos por online do que analogico.

Diz não se preocupar. O foco é qualidade, experiência do usuário.

Read Full Post »