Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘café’

miguel-cavalcanti-armrebel

Fiz, na sexta a tarde, uma palestra para o pessoal da ArmRebel, sobre minha experiência pessoal de aprendizado nas áreas: conhecimento, relacionamento e auto-conhecimento.

Foi uma oportunidade interessante e uma forma de rever conceitos e ideias minhas a respeito de como aprender, como aplicar o que aprende, e principalmente como viver melhor.

A palestra teve como título “Como se manter atualizado, sem se perder, e ainda ser feliz…” e o subtítulo “Se alguém souber, me conte…

Veja os slides.

Abaixo um pequeno resumo do que apresentei por lá. Em breve eles vão colocar um vídeo com a palestra na íntegra.

Conhecimento

1- Leitura de livros

Gosto muito de ler e isso tem me ajudado muito a aprender mais. Acredito que livros são um dos investimentos com melhor custo benefício em relação a dinheiro investido e retorno em conhecimento.

Algumas de minhas sugestões:

  • Arte do começo
  • Execução
  • Amor é a melhor estratégia
  • Feitas para vencer
  • A arte de fazer acontecer
  • Tríade do tempo
  • Dedique-se de coração

2- Leitura de blogs

Uso o Google Reader para acompanhar blogs que gosto, inclusive o BizRevolution, do Ricardo Jordão. É uma maneira fácil e prática de se atualizar dos seus interesses, tudo em um só lugar. Às vezes, quando acumula, “marco tudo como lido” e deixo recomeçar.

3- Audiolivros

Comecei a usar audiobooks recentemente e tenho gostado muito. Aproveito muito melhor o tempo que passo dentro do carro, viajando ou no trânsito. No ano passado, por exemplo, escutei o livro “Mundo é plano” em apenas uma semana.

4- Twitter

Muita gente critica e poucos entenderam como funciona. Eu gosto, pois me dá acesso a links e novidades de pessoas muito inteligentes e antenadas. O segredo, difícil de seguir, é acessar 1-2 vezes por dia, no máximo. Me “siga“.

5- Palestras

Fazer palestras requer uma preparação enorme. Por isso te ajuda a aprender muito, até sobre coisas que você já sabe. Preparar essa palestra foi muito bom, pois me forçou a refletir sobre meu dia-a-dia, como estudo e como uso meu tempo, na vida pessoal e profissional. Pela primeira vez, coloquei uma foto do meu filho num slide.

6- Escrever um blog

Escrever um blog tem me ajudado a aprender muito mais. Quando escrevo um resumo de uma palestra ou de um livro, preciso investir 10-20% a mais de tempo e consigo aprender muito mais do que quando apenas “assisto”. Escrever também me ajuda a colocar em prática, em ação, o que aprendo. Além disso, no blog já conheci pessoas interessantes, com interesses comuns, que não conheceria de outra forma.

Contei inclusive que um dos meus melhores amigos, Eduardo Carvalho, eu conheci pelo blog dele. Daí pensei: se eu conheci esse cara porque ele tinha um blog, devo estar perdendo oportunidades de conhecer outras pessoas porque eu não tenho um. Foi um empurrão extra para montar o meu. Tem valido muito a pena.

Relacionamento

7- Café

Não tenho vergonha ou receio de convidar para um café, para conhecer e aprendermelhor, pessoas que admiro. O próximo que devo conhecer assim é o Ben Casnocha, na minha viagem para San Francisco, no final desse mês.

8- Eventos e cursos

Participar de cursos e eventos, selecionados e especiais, pode ajudar muito a conhecer pessoas diferentes, cultas e com boa cabeça. Tem sido uma forma interessante de expandir meus contatos.

9- Aleatório

Estar aberto a conhecer pessoas aleatórias, que por acaso estão próximas de você, pode render bons frutos. Às vezes você pode conhecer um idiota, mas vale o risco. Eu já conheci, do meu lado no avião, o presidente da rede Bretas de supermercados e o Mr. Manson, guru do marketing viral e prega-peças nos jornalistas brasileiros.

10- Porque vim aqui hoje?

Sempre que ensino, também aprendo. Disse isso a eles. Ir na ArmRebel conversar também é uma forma de aprendizado, até de assuntos específicos. Eu, por exemplo, queria aprender mais sobre como eles faziam os vídeos de produtos e de palestras.

Auto-conhecimento

11- Terapia

Contei que faço terapia há pouco mais de um ano e isso tem me ajudado muito. A me conhecer melhor, a entender meus pontos fortes e fracos. A ir mais longe.

12- Corrida

Outra coisa que gosto muito de fazer é correr. Acho que é mais do que um esporte, uma atividade física, que me ajuda a me manter em forma (ou quase). É uma atividade que faz bem para a cabeça. Fico menos estressado, esvazio a cabeça quando corro. E tenho ótimas ideias. Contei que já “escrevi” artigos inteiros correndo. Me lembrei agora que o discurso da minha formatura, lá em 2002, também foi “feito” correndo.

Dicas

Mapas mentais

Tenho usado mapas mentais como uma ferramenta para brainstorming solitário e rascunho de ideias. Me ajuda a tirar tudo da minha cabeça e depois a organizar os tópicos. Depois de ter listado e mapeado tudo que quero fazer, passo para um próximo passo que é escrever.

Anote tudo

Lembrei de um anúncio de uma marca de caderno dos EUA, que o slogan é algo assim “Anoto para me lembrar depois. Anoto para me lembrar agora.” Isso é muito verdade comigo. Sempre, em qualquer tipo de reunião, levo me caderno e anoto. Me ajuda a fixar ideias e a pensar com mais clareza. Além disso, acho que passa uma imagem de seriedade e de que você se importa com o que a outra pessoa pensa.

The Dip

Mostrei o gráfico que resume o livro The Dip, do Seth Godin. O sucesso demora para chegar. E existe recompensa para quem chega do outro lado, pelo fato de poucos chegarem lá.

Conceito do porco-espinho

Já escrevi sobre esse conceito no blog Piapara. É uma recomendação do livro Good to great, do Jim Collins, que fala para você se perguntar três coisas. O que eu faço muito bem? O que eu gosto muito de fazer? O que o mercado está disposto a pagar para eu fazer? Pessoas e empresas de sucesso conseguem juntar as três coisas.

As perguntas

As perguntas e comentários da turma foram muito bons. Me perguntaram sobre corrida, sobre ter um blog, sobre exposição excessiva. A turma participou bastante. E eu gostei bastante da experiência.

E também fizeram vários comentários bacanas, aprendi coisas interessantes. Uma das mais legais foi a explicação do Lala, o apresentador da maioria dos vídeos da Arm, do porque a corrida me ajuda a pensar. Ele contou que há estudos comprovando que a atividade física aumenta a capacidade de retenção de informações, pelo aumento da circulação sanguínea.

Integrando as três partes

Escrevendo agora, pensei que vários dos pontos acima, estavam em mais de uma esfera. Daí pensei em fazer o diagrama abaixo. Por exemplo: meu blog me ajuda a aprender, a conhecer mais pessoas e a me conhecer melhor. Acho que faz mais sentido assim.

090306_palestra_armrebel

Links sobre essa palestra, em outros blogs

Bizrevolution

Think Outside Br

Arm Rebel

Read Full Post »

por_do_sol

Acabou o ano, resolvi fazer uma escolha pessoal dos posts que mais gostei em 2008. Se você gostou de outros, por favor sugira nos comentários. Sugestões de novos posts, livros a serem lidos e filmes que devam ser assistidos são bem-vindos.

Corridas

O que é correr a São Silvestre

Correndo

Eventos, cursos e treinamentos

Fui no ResultsON Day, e gostei

Curso de vendas com Ricardo Jordão, da Bizrevolution

Como escolher um bom MBA ?

Fábio Barbosa, do Banco Real, Santander e Febraban

Gestão do tempo

Gestão do tempo – o que tem me ajudado

Auto-conhecimento

Torna-te aquilo que és

Apatia, assertividade e agressividade

Seth Godin (merecia uma seção especial, pois é quem mais tem me inspirado nos negócios e nesse blog)

Resumo de Tribes, novo livro de Seth Godin

O que aprendi com Seth Godin

Curso com Seth Godin, nos EUA

Negócios, internet, empreendedorismo

O básico do seu negócio

Palestra da Suzana Apelbaum (Hello Interactive) no Digital Age 2.0

Crise nos EUA, análise e sugestões da Sequoia Capital

Alcançando a excelência, de John Spence

Empreender – um resumo do GP Investimentos

Livros

Audiolivros ou audiobooks – porque acho que vale a pena

Porque comprei um Kindle e minhas primeiras impressões, no Brasil

Palestras

O que tenho aprendido em palestras

Marketing

Resumo do livro Publicidade + Entretenimento, de Scott Donatton

Comunicação por conteúdo, ou branded content

Ser pai

Ser pai (com a ajuda dos amigos) – parte 2 – as respostas

Café (poderia se chamar “outros” rs..)

Café espresso: muitos avanços, alguns abusos

Read Full Post »

Há pouco mais de 10 anos, vender café em restaurantes e bares era considerado quase impossível no Brasil. Acreditava-se, mesmo em lugares “chiques” que o cliente não pagaria pelo café, deveria ser gratuito e não precisava ser de alta qualidade. Restaurantes muito bons tinham café coado, sem muita preocupação.

Café Fazenda Pessegueiro

Café Fazenda Pessegueiro

Com o tempo, foram surgindo os cafés espressos, com suas máquinas, em diversos lugares. Começou-se um trabalho muito bem feito de de promover (e vender) o café de alta qualidade. Os especialistas dizem que um tripé garante o espresso perfeito: o café, a máquina e o barista (profissional que “tira” o café).

A civilized way to the start the morning

Os grãos precisam ser escolhidos, selecionados, provados e torrados corretamente. A máquina muito bem regulada. E o barista treinado para preparar e explicar, ensinar sobre o produto.

Pode-se ter como exemplo o vinho, com suas regiões, cepas, histórias e tradições. Tudo isso existe no café, e é cada dia mais explorado. Um exemplo de marketing bem feito, além de incluir atualmente as certificações de sustentabilidade (3 pilares: social, ambiental e econômico).

Hoje isso, é possível encontrar cafés de excelente qualidade em muitos lugares do Brasil. A primeira marca que ganhou espaço foi a italiana Illy, tradicionalíssima em espressos no mundo. Eles são muito bons de produto, de promoção e marketing, e em contar a história da empresa, da família e do café. Têm, por exemplo, uma coleção de xícaras pintadas, para promover discretamente o café deles. Financiam uma universidade corporativa para treinar e capacitar produtores que fornecem matéria-prima. Fazem anualmente um concurso que premia os cafés, que melhor se adequam ao blend da marca. Enfim, fazem um trabalho muito bem feito para promover a marca e garantir sustentação do market share e sobre-preço conquistados. Outro exemplo, muito bem-sucedido de café de alta qualidade e caro, é o Nespresso da Nestlé.

Alguns produtores de cafés especiais perceberam que era preciso ser dono da marca para agregar mais valor ao seu produto. Um deles é o Café Fazenda Pessegueiro, da família Gonçalves Dias de Mococa-SP, capitaneado por Clóvis Gonçalves Dias Filho, ou Tio Clovinho como me acostumei a chamá-lo desde criança.

O café Pessegueiro é produzido em uma única fazenda e ganhou um prêmio único, “The Hidden Treasure”, da SCAE (Associação Européia de Cafés Especiais). O primeiro e único café brasileiro a ganhar essa honraria. Há pouco tempo começaram a fornecer para a rede argentina Havanna. O café é especial. E tem história.

No entanto, parece que alguns locais entendem o café espresso como mais uma oportunidade de faturar, sem se atentar para a qualidade. Sem se preocupar com café, máquina ou barista. Ontem, no aeroporto de Campo Grande, tomei um espresso na Casa do Pão de Queijo que me assustou. Um café mal tirado, sem creme, nada especial, parecia mais um café coado e “cozido”, daqueles que ficam horas na garrafa térmica, ou em banho maria. O preço: R$ 2,00! Perguntei assustado: é esse o café espresso? A moça, indiferente, respondeu: sim. E virou-se. Em outras franquias da CPQ, o cuidado com o café é maior, parecido com dado ao pão de queijo (sou fã do recheado com polenguinho).

Quem vende café espresso de qualidade conseguiu fazer algo muito difícil, mudar o hábito do brasileiro. Criando um novo mercado, daqueles que pagam e apreciam cafés diferenciados. Isso é fantástico e deve ser comemorado. No entanto, quem vende gato por lebre precisa ser combatido. A melhor forma para isso é levar mais informação, ensinar o consumidor. Um ótimo exemplo é o vinho. Há mercado para vinhos caros e baratos, mas eles não se misturam.

Um café que simplesmente foi feito em uma máquina de espresso não pode ser vendido e entendido como o mesmo que um café gourmet, especial, com história, bem tirado. É preciso mais do que isso. Não vamos misturar o especial com o comum.

Read Full Post »

Tenho uma longa admiração pela rede de cafeterias Starbucks.

Quando morei nos EUA, entre 1999 e 2000, passei bons momentos nas lojas de lá. Tenho marcado o dia que fui convidado por um amigo, primeira vez em um Starbucks, para ler o Wall Street Journal do dia e bater papo, em uma das cafeterias de Tucson, Arizona. Nesse dia, escolhemos uma loja longe de onde morávamos. Ao tentar pagar, a moça disse: “esses, hoje, são cortesia da casa”. Nunca me esqueci, mesmo depois de saber que é uma norma da empresa dar café de graça aleatoriamente.

Quando comecei a trabalhar na AgriPoint, li, emprestado do meu sócio, o livro “Dedique-se de coração”, do CEO Howard Schultz. Um dos melhores livros de negócios que já li, e que até hoje influencia a maneira como penso sobre negócios. A principal lição do livro é simples: sua empresa deve se basear em alguns poucos princípios fundamentais e, principalmente, deve ser fiel a eles.

Café e third place

A empresa busca oferecer um excelente café e ser um “third place“, ou terceiro lugar.

Um local onde você pode se encontrar com amigos, sem ser sua casa ou trabalho. Mas sem ser um local onde todos são anônimos. Onde você se sente bem e em casa, sem estar em casa.

Eu me sinto assim em um Starbucks. Vou lá para trabalhar, me distrair, passar bons momentos papeando com minha esposa ou amigos. Para mim, é um bom programa ir a um Starbucks.

Hoje a Starbucks está com problemas, ações em queda, competição acirrada, fechamento de centenas de lojas nos EUA.

Brasil x EUA

No final de abril, fui a Nova Iorque fazer um curso com Seth Godin, e tomei muitos café em inúmeros Starbucks da cidade. A primeira impressão: há uma loja em cada esquina, ou mais. É mais fácil achar um Starbukcs que um McDonald´s em Manhattan.

Segundo e mais importante: o atendimento nos EUA piorou muito. Parece que o problema é o grande número de lojas e a dificuldade de contratar um grande número de pessoas com habilidades para atender muito bem, e fazer um excelente café. Em especial quando a loja está cheia. O incrível é que Howard previu isso no livro, quando disse que não queria ter franquias, para não perder o controle, a qualidade, o padrão e mística. Com mais de 10.000 lojas no mundo, mesmo não sendo franquia, fica difícil.

Aqui no Brasil, as poucas lojas seguem muito cheias. O atendimento é muito melhor que nos EUA. Fiquei impressionado com isso, ao voltar a tomar café lá, quando estava nos EUA esse ano.

Outro detalhe

Acredito também que a empresa está aproveitando pouco a oportunidade de ser mais aberta ao cliente. Mais aberta a receber sugestões e críticas. Ter um blog (já escreveram sobre isso). Acabo de ler uma reportagem da revista Portfolio que dá a entender que a empresa faz pouco sobre isso (e a culpa é do jeito de Howard).

Escolha seu tamanho

Escolha seu tamanho

O que desejo

Espero que a empresa volte a ser um sucesso, de público, de vendas, de admiradores, e também na bolsa. Como empreendedor admiro muito a capacidade deles de fazerem uma marca de luxo, que você pode usar.

Além disso, mesmo com todas essas críticas recentes, e o pior atendimento (nos EUA), continuo um cliente satisfeito, grande admirador. E o livro de Howard Schultz continua um dos meus preferidos, e um dos primeiros na minha lista de possíveis presentes a amigos.

Read Full Post »