Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘internet’ Category

Li há poucos dias o livro Rework, de Jason Fried e David Hanson, sócios da empresa de software como serviço 37Signals. Há tempos acompanho o trabalho deles. Gosto dos produtos (usamos Basecamp na AgriPoint) e gosto ainda mais da postura e das ideias sobre negócios, vida profissional e produtividade. O livro é muito bom. Tem algumas partes um pouco repetidas, em especial para quem le o blog deles sempre e já leu Getting Real, o primeiro livro deles.

Abaixo minhas anotações dos pontos que mais gostei.

  • Ignore o mundo real. Muita gente vai te dizer que sua ideia não vai dar certo, pois a realidade é assim/assado, blablabla. Se você não for nem um pouco contra a maré, contra todo mundo, dificilmente criará algo inovador.
  • Planejamento é achismo. Essa é a mais polêmica do livro. Eles falam que planejamento precisa ser encarado como um achismo. Quando planejamos usamos muitos pressupostos que não sabemos se é verdade ou não. Encarar como achismo nos faz melhor. Eu acredito muito em planejamento, mas concordo com eles. As coisas mudam muito rápido e você achar que tudo vai se manter estável como no papel, é acreditar em duendes.
  • Deixe uma marquinha no mundo. Se você vai começar algo, trabalhe para deixar uma pequena marca sua no mundo. Faça algo que faça mesmo a diferença. Acredito muito nisso e relembrar sempre é bom.
  • Coce sua coceira. Ao desenvolver um produto, procure atender uma necessidade sua. Assim é muito mais fácil dar certo. Concordo plenamente.
  • Seja leve. Não invista muito, comece pequeno, sem investimentos grandes, custos fixos. Você não sabe como as coisas vão se sair e cada dia é possível começar com menos. Criar uma lista enorme de coisas que você precisa antes de começar é uma desculpa. Você pode começar sozinho, na sua casa, sem escritório, sem equipe. Leve.
  • Ao lançar um produto, pense o que é realmente essencial. Pense na salsicha do cachorro quente. Um hot dog sem salsicha não é hot dog, mas pode não ter batata palha, e outras coisas.
  • Foque no que não muda. As bases do seu negócio estão em coisas duradouras, ou apenas numa modinha passageira? Simplicidade, funcionalidade estão sempre demandadas, pro exemplo.
  • Venda seus subprodutos. O melhor exemplo é o próprio livro deles. Ganham dinheiro vendendo um livro (e dando palestras) ensinando e falando sobre como eles tocam o negócio deles. Por experiência própria, isso funciona.
  • Vá dormir. Pouco sono diminui sua criatividade, aumenta sua teimosia e irritação. Concordo, apesar de nem sempre dormir cedo. No livro Happiness Project tem uma frase ótima: sleep is the new sex.
  • Listas longas de coisas a fazer não funcionam e te frustram. Tenha uma lista pequena das coisas mais importantes que você tem que fazer hoje, essa semana.
  • Coloque você dentro do seu produto. Assim fica impossível copiarem o que você faz. Dá credibilidade, personalidade e alma ao seu negócio. Acredito muito nisso e quero fazer isso mais e mais.
  • Não copie seus concorrentes. Foque nos seus clientes. Aprenda com eles.
  • Ensine. É uma das melhores formas de marketing. Faça como os chefs de cozinha: vendem livros com as receitas completas dos seus restaurantes. Nem por isso a concorrência aumenta. Os chefs fazendo isso, se diferenciam e se tornam ainda mais especiais e únicos.
  • Construa uma audiência. Ensinando, cada dia você terá mais gente que acompanha seu trabalho. Uma audiência que gosta de você, vai te indicar clientes e vai comprar de você. Eles são os reis nessa área.
  • Aprenda a fazer a função que você quer contratar alguém. Na dúvida entre dois candidatos, contrate aquele que escreve melhor. Ele pensa melhor.
  • Quando algum pepino acontecer com sua empresa, seja o primeiro a contar. E saiba pedir desculpas. “Me desculpe” sincero é muito mais valioso do que “Lamentamos o inconveniente… blablabla…”.
  • Seja você mesmo. Dá originalidade e personalidade ao seu negócio. Convide seus clientes a conhecerem o backstage do seu negócio. Isso é uma coisa que quero fazer mais.
  • Tudo é marketing. Lembre-se disso. Tudo.
  • Cultura de uma empresa não é criada. É o subproduto de um comportamento consistente. Seja ele qual for. Concordo. Por isso é tão difícil construir uma grande cultura.
  • Inspiração é perecível. Comece. Se você teve uma grande ideia, comece agora. Até por isso estou escrevendo esse post agora :-)

Como bônus, o livro tem uma série de ilustrações do ótimo Mike Rohde, um desenhista de mão cheia, que há tempos admiro. Ele faz resumos de palestras desenhados que são uma loucura.

Christian Barbosa, meu amigo e grande especialista em gestão do tempo me convidou a fazer uma resenha em mapa mental para o site dele. Quando ele publicar, coloco o link por aqui.

Read Full Post »

Hoje é o lançamento do iPad. Quem encomendou nos EUA, hoje vai as lojas da Apple buscar seu brinquedinho. O aparelho está fazendo muito sucesso. Li algumas coisas bem interessantes que me levaram a uma reflexão, levando em conta minha experiência e opinião.

O iPad, como tudo da Apple, é um sistema fechado, ou seja, a empresa tem um controle grande do que entra (o que pode ser instalado, usado, etc). Cada vez mais os sistemas abertos ganham espaço. A grande vantagem de um sistema fechado como o da Apple é que geralmente dá muito menos problema (trava, bugs, etc).

A mídia tradicional nos EUA está apostando todas as fichas no iPad. Acreditam que vai ser a salvação da mídia impressa (jornais, revistas, etc). Eu acho que não vai ser tão fácil assim.

Marc Andreessen, que criou o Netscape, e é uma das pessoas que mais respeito e admiro na internet, deu uma entrevista ao Techcrunch, que deram o título de Burn the boats. Marc recomenda que as empresas de mídias tradicionais fechem suas edições impressas. Só assim elas teriam capacidade de olhar com o cuidado necessário sua operação online e também não teriam o apego (chamado de sunk cost, ou custo afundado) por já terem investido muito na estrutura ligada a operação impressa. Dificilmente as empresas irão fazer isso, e dificilmente (na minha opinião) irão conseguir superar empresas que só operam no online.

Marc perguntou ao reporter do Techcrunch se eles estavam pensando em lançar uma app paga para iPad, com o conteúdo do blog Techcrunch (um dos mais respeitados sobre tecnologia e startups nos EUA). O reporter quase não entendeu a pergunta e fez uma cara de que o cara estava viajando, ou brincando. Marc explicou: o que parece uma piada para um site como o Techcrunch, é a principal estratégia dos sites dos grandes jornais. Porque é tão diferente? Será que os jornais estão míopes?

Outro texto que me levou a uma reflexão foi a piada de 1 de abril do Techcrunh. Eles pegaram o release de 1996 que o NYTimes divulgou quando lançaram o site deles, e trocaram as palavras “web site” por “iPad”. Fez sentido, até um colunista do NYT retuitou o post e o jurídico do NYT entrou em contato pedindo para tirar o texto do ar. A grande piada é que o texto de 1996 com o termo iPad faz todo sentido em relação ao posicionamento dos jornais no iPad em 2010. Ou seja, eles achavam que iriam dominar a web em 96 (o que não aconteceu), da mesma forma que acreditam que o iPad vai ajudá-los a retomar sua posição de monopólio que tinham antes da informação (não deve acontecer rs..).

Cory Doctorow escreveu um post muito interessante no blog dele (Boing Boing) falando porque não irá comprar um iPad (e porque você não deveria). Os principais motivos: sistema fechado, trata o usuário com idiota, usa DRM e contratos leoninos com produtores de conteúdo e consumidores. Ele dá dois exemplos muito interessantes que te estimulam a pensar.

O primeiro é uma comparação do iPad com o CD-Rom, que muitos venderam como a revolução do conteúdo. Não aconteceu, a revolução do conteúdo ocorreu com a internet, com sua bagunça, baixíssima barreira de entrada e facilidade de qualquer um se tornar produtor de conteúdo (e não apenas consumidor).

O segundo exemplo é a app da Marvel (quadrinhos). Ele fala que é fã de quadrinhos e que uma das coisas mais legais de revistas em quadrinhos é poder emprestar, vender, dar para seus amigos. Com a app da Marvel nada disso é possível. Na opinião de Cory, a app da Marvel não tem nada de melhor do que a revista, apenas coisas piores (você não pode fazer várias coisas).

Nesse final de semana comecei a usar e testar o programa Thunderbird para gerenciar meus emails. Quero alguma coisa que funcione com Gmail e Google App (onde estão meus emaisl pessoais e profissionais). É incrível o incrível número de opções, de plugins, de customizações. E também a qualidade de como tudo funciona. Um detalhe: tudo é de graça. Me lembrei de uma frase que ouvi ano passado pela primeira vez: Where opensource enters, wins.

O iPad parece ser muito, muito fácil de usar. E isso é uma (ou a principal) grande vantagem da Apple. Produtos que simplesmente funcionam. Se você usa Windows, essa é uma qualidade que vale ouro. Estou usando cada vez mais produtos Apple (iPod, iPhone, Macbook Pro) e gostando muito da usabilidade, facilidade. É incrível como tudo parece automático, intuitivo.

Outra vantagem do iPhone e do iPad são as apps (programas) que você pode baixar gratuitamente ou pagando muito pouco. Eu tenho diversos pequenos programas no iPhone que me ajudam muito. Para corrida, para distrair meu filho de 2 anos, para ouvir música, tuitar, escrever, editar documentos, etc, etc. A lista é quase infinita. O iPad pode ser usado para algumas coisas que aumentam muito seu valor. Por exemplo: como porta-retrato digital, e como segundo monitor no Mac.

Me lembrei também do celular Nexus One, lançado pelo Google. Segundo um dos maiores especialistas em mobile marketing que conheço, é o melhor celular da atualidade, pela facilidade de uso, recursos, qualidade do aparelho, câmera, etc. A diferença em relação ao iPhone é que ele usa Android, uma plataforma aberta, opensource. Isso dá muito mais liberdade. Primeiro a Apple que não fazia celulares revoluciona o mercado, agora outra empresa de fora desse mercado parece dar o segundo passo. Cada vez mais quem não é do ramo pode/deve conduzir a revolução. Dificilmente a Microsoft vai gerar outra revolução depois das que já vez (computador pessoal, Office), mas outras empresas que trabalham muito bem a usabilidade dos produtos, mas não usam sistemas fechados, podem ultrapassar a Apple.

Eu quero comprar um iPad, até porque faz parte do meu trabalho (e interesse pessoal) entender de internet, gadgets e inovações que podem mudar/melhorar meu negócio. Mas começo a acreditar que empresas que saibam casar a grande vantagem da Apple (facilidade de uso) com sua grande desvantagem (sistema fechado) podem revolucionar ainda mais o mercado, com ótimos produtos (e mais baratos), que serão usados por muito mais gente. Minha aposta hoje (amanhã pode mudar) é que essa empresa é o Google.

Em tempo, escrevi sobre o iPad em janeiro aqui. Se você quer ver a melhor cobertura da fila de compra do iPad, siga o Robert Scoble.

E você, qual sua opinião?

Read Full Post »

Estamos lançando o episódio #001 do videocast Man in the Arena (ou Homem na Arena), que me propus a fazer com Leo Kuba mensalmente. Nesse episódio seguimos as sugestões de diminuir a duração (nós também achamos que estava meio longo).

Dessa vez falamos sobre os seguintes assuntos:

Para o próximo, quero estudar mais cada tema a ser falado, para ficar com mais conteúdo e mais objetivo. Esse projeto tem sido um ótimo aprendizado (e diversão). Vamos em frente.

A edição desse episódio ficou por conta do Leo Kuba, que fez um excelente trabalho (e olha que ele é iniciante em vídeo). O #000 foi feito pelo nosso amigo Luiz Murillo, que trabalha com vídeo profissionalmente.

Por favor, envie suas sugestões, comentários e ideias. O que você quer ver no #MitA? Queremos te ouvir e aprender com você também. Muito obrigado.

Se preferir, assista no Blip.tv, que tem opção para downloado do MP3 e versão mobile. Temos o RSS do programa e também para iTunes.

[blip.tv ?posts_id=3396568&dest=-1]

“O Man in the Arena é um vídeo podcast sobre empreendedorismo e cultura digital apresentado por Leo Kuba e Miguel Cavalcanti”.

Veja a apresentação e episódio #000.

Read Full Post »

Leo Kuba e eu estamos lançando um videopodcast mensal sobre negócios, empreendedorismo, internet e vida digital (seja lá o que isso for rs..). A ideia surgiu numa cnversa com o Leo, ele me convidou e eu topei na hora. O vídeo acima é o episódio #000. Assista e de sua opinião.

Nas gravações ainda não sabíamos o nome que o programa iria ter. Falamos de muitas coisas, demos risadas, falamos bobagens. Foi bem divertido. E falamos de muitas coisas que acreditamos também.

Uma das coisas foi a citação do discurso Man in the Arena, feito pelo presidente nos EUA, Theodore Roosevelt. O básico desse discurso é o valor da pessoa que está no meio da arena, lutando, dando a cara para bater. Se arriscando, podendo ganhar, podendo perder. Há muito mais valor nisso do que quem está na platéia comentando, criticando, avaliando. Falamos sobre isso entre as gravações, de que é muito mais importante e valioso estar na “briga” do que ser o doutor da vida, comentando e criticando tudo, sem fazer, sem realizar. Durante a semana, depois da gravação, Luiz Murillo, um amigo nosso que entende de vídeo, sugeriu: que tal dar o nome do videopodcast de Man in the Arena? Topamos na hora. Pareceu um nome que estava esperando ser descoberto. E já criamos a hashtag #MitA.

Aproveitando esse primeiro vídeo, que fizemos totalmente no espírito #MitA, ou seja, não está perfeito, mas estamos lutando, trabalhando, faço abaixo alguns comentários sobre negócios que acredito e que estão alinhados com o #MitA. Provavelmente nem tudo o Leo Kuba vai concordar, mas acredito que ele vai fazer os comentários dele também.

  • Faça, comece. O momento certo nunca vai chegar. Você vai ser novo demais, ou velho demais. Terá pouco dinheiro, ou pouco tempo.
  • Esqueça os críticos. Acredite em você. Tem muita gente especialista em afundar os sonhos dos outros.
  • Escute os críticos, procurando tirar o que tem de melhor, aprender alguma coisa.
  • Trabalhe em algo que vale a pena. Em algo que você acredita.
  • Esteja preparado para “apanhar”. As coisas dão errado, você rejeitado. Suas ideias são reprovadas. É preciso persistência. É preciso continuar, mesmo que cansado, desanimado.
  • Siga em frente. O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem desanimar, já disse Churchhill, que teve seu grande sucesso depois dos 60 anos.
  • Não espere muito dos outros. Ninguém vai te dar nada. Tudo que é seu, você que terá que pegar, que conquistar.
  • É claro que se você tiver esse espírito, você vai conhecer muita gente boa, que vai te ajudar, te ensinar, te animar. Os verdadeiros amigos valem ouro.
  • Procure se divertir. Trabalhe duro, mas aproveite. Se você gosta do que faz e acredita no seu negócio isso não vai ser tão difícil quanto parece.
  • Tenha uma causa, um mantra. Trabalhar por algo maior do que apenas o dinheiro e te ajuda a ir sempre mais longe, quando você não ganha nada e também quando o negócio já dá resultado financeiro.

Obrigado Leo pelo convite. E vamos aos próximos. Nosso amigo Edu Carvalho acompanhou a primeira gravação e já blogou o vídeo antes de mim. Até o Techcrunch já usou esse discurso.

Leia o trecho mais famoso do discurso:

It is not the critic who counts; not the man who points out how the strong man stumbles, or where the doer of deeds could have done them better. The credit belongs to the man who is actually in the arena, whose face is marred by dust and sweat and blood; who strives valiantly; who errs, who comes short again and again, because there is no effort without error and shortcoming; but who does actually strive to do the deeds; who knows great enthusiasms, the great devotions; who spends himself in a worthy cause; who at the best knows in the end the triumph of high achievement, and who at the worst, if he fails, at least fails while daring greatly, so that his place shall never be with those cold and timid souls who neither know victory nor defeat.

Você também pode ver o vídeo no Blip.tv e/ou baixar o arquivo.

[blip.tv ?posts_id=3359360&dest=-1]

Read Full Post »

Li entre domingo e segunda da semana passada, li um excelente livro sobre vídeo online. Foi recém-lançado nos EUA. Se chama Get Seen (Seja visto), de Steve Garfiled. O livro é muito bom e rápido de ler. Dessa vez, usei o Kinlde for PC no netbook aqui em casa e funcionou muito bem, pois, ao mesmo tempo que lia, ia pesquisando na internet as sugestões dele.

Minhas principais observações e dicas:

  • O mais importante é você. Não se preocupe tanto com equipamento, foque em ter uma história boa para contar, com frequência e consistência. E persistência.
  • Não tente agradar a todos. Encontre seu nicho.
  • Steve montou uma rede Ning para compartilhar conteúdo sobre o livro. Conheça www.getseen.ning.com.
  • Vídeo online ajuda você conhecer os outros e se tornar mais cohecido, como pessoa, como ser humano, não apenas o “profissional”. Concordo e esse é um dos motivos que mais me anima a entrar nesse jogo.
  • Grave pequenos vídeos do seu dia-a-dia. Nem sempre você vai postar, mas você não vai perder esses momentos. Interessante.
  • iPhone 3GS faz tanto sucesso poi svocê anda com ele, sua carteira, e suas chaves por todo o canto. Por isso está se tornando a câmera mais usada do mundo.
  • Steve conta um caso em que ele cosnseguiu gravar entrevista com um senador antes da CNN, por estar do lado dele com um celular habilitado para stream de vídeo (ao vivo), usando o Qik.
  • Comece o quanto antes, e aprenda com isso. Estou pensando em fazer um experimento, gravando um pequeno vídeo todos os dias.
  • Um site na Alemanha fez uma parceria com a camera Flip, que já envia direto para esse site. O próprio site vende as câmeras para seus leitores. Achei demais essa ideia.

Sites legais e recursos:

  • Para tutoriais e screencasts, use o www.screenr. Ou use o Animoto (muito legal!) para fazer vídeos de fotos e slides.
  • Youtube tem máxima audiência, mas só com vídeos até 10 minutos.
  • Blip.tv tem qualidade e distribui seu conteúdo para o iTunes e gera MP3.
  • Vimeo é o melhor em qualidade.
  • Vale a pena usar Tubemogul, para colocar seu video em inúmeros outros sites, de uma uma vez só.
  • Transmissão ao vivo: Qik, Ustream e Livestream. Ainda não testei, mas chego lá.
  • Blip.tv tem a opção de montar playlists, assim uma pessoa pode assistir todos o sepisódios em uma mesma página.
  • Para vídeos corporativos: Brightcove ou Viddler. Para vender conteúdo, ele recomenda MyContent.
  • Para video chat, ele recomenda ooVooTinychat.
  • A câmera que mais gostei das sugestões dele foi a Kodak Zi8, pequena como uma Flip, grava em HD em formato sem precisar de conversão e tem entrada para microfone.
  • Minha câmera (Canon HF200) também aparece bem, mas tem o problema de precisar converter o vídeo antes de editar.

Sobre a produção (a melhor parte do livro, super completa):

  • Em vídeo online, gaste mais com microfones e iluminação do que com câmeras. Uma surpesa para mim. E ele dá dicas de todo tipo de microfone, inclusive os BBB (bom, bonito e barato – meus favoritos).
  • Até no iPhone, vale a pena ter um microfone externo. Ele recomendou esse. Eu comprei, mas não chegou ainda.
  • Tenha um tripé.

Detalhes práticos:

  • No youtube, título de no máximo 60 caracteres.
  • Se prepare para receber comentários que não gosta (tenha pele grossa, ou thick skin). Eu sei bem o que é isso em quase 10 anos de AgriPoint :-)
  • Faça vídeos curtos. Esse eu ainda preciso aprender.
  • Entrevistas: ligue a câmera antes, para deixar o entrevistado mais a vontade, mais focado em você e prestando menos atenção a câmera.

Comentários finais:

Recomendo muito esse livro se você quer entender mais sobre vídeos online e começar a fazer os seus. Steve testou inúmeras opções e formatos e dá o caminho das pedras. Eu achei bom demais e já estou melhorando várias coisas nos meus planos. Mas a principal dica é: comece ;-)

Read Full Post »

crush-it-book-cover

[blip.tv ?posts_id=2850068&dest=-1]

Acabei de ler o livro Crush it, do Gary Vaynerchuk, o criador da Wine Library TV, um fenômeno da internet. Gary criou um “império” sobre vinhos, em muito pouco tempo, usando a alavancagem da internet e mídias sociais. O livro é curto e muito interessante. Foi recém-lançado e comprei e li no Kindle. Se fosse impresso, nem teria chegado ainda aqui.

Como Gary é o rei do vídeo online e acredito que tenho muita coisa a aprender nessa área, resolvi fazer esse post em vídeo.

Veja abaixo os principais tópicos que falo no vídeo.

  • quem é Gary Vaynerchuk e o que é a Wine Library TV
  • siga sua paixão – a vida é muito curta
  • construa sua marca pessoal, mas não fique só vendendo você
  • seja você mesmo, polarize people
  • usando a internet e mídias sociais como alavancagem
  • crie conteúdo
  • no oceano da internet, qualidade é um ótimo filtro para conteúdo
  • combinando trabalho duro, paixão e expertise
  • fortaleça sua comunidade – publique, pesquise, mapeie e faça contato
  • a melhor estratégia de marketing
  • pergunte – “o que posso fazer para te ajudar?”
  • conte sua história
  • como monetizar seu trabalho na internet
  • legado versus dinheiro
  • não pense que você vai trabalhar menos
  • dicas: tubemogul, ping.fm, ustream.tv, botões call-to-action, wordpress, tumblr, botões share
  • facebook fanpage e facebook connect
  • twitter – ele tem mais de 800 mil seguidores
  • mídias sociais é um negócio, ponto final
  • intermediários cada vez com menos espaço
  • quais as formas ele usa para capturar e fidelizar clientes
  • botão e página “quer fazer negócios comigo?”
  • cuidado com a medição de estatísticas
  • transparência e abertura
  • tenha paciência, não acontece do dia para noite
  • esteja disposto a mudar e se adaptar
  • nunca é um mal momento para começar uma empresa (a não ser que seja uma empresa medíocre)
  • currículo está em extinção

Conclusão

  • a internet pode alavancar e muito seu potencial
  • para ter sucesso como o Gary, não tente ser como ele, tente ser como você
  • paixão, expertise e muito trabalho, juntos, vão te levar longe

Escrito em Osorno, no Chile, onde fiz uma palestra na quinta (05-11), sobre exportação de carne bovina. O vídeo foi gravado em Piracicaba, SP, segunda-feira, 09-11.

Aproveite e assista a uma palestra dele, no ano passado.

Read Full Post »

nikesh

Nikesh Arora foi um dos melhores palestrantes do Mixx 09, que aconteceu em 22 e 23 de setembro, em NY. O tema da palestra foi “O fim do marketing digital?”.

Antes chamávamos de telefone celular, hoje de telefone. Antes de carruagens sem cavalos, agora de carros. Antes TV a cores, agora só TV. Logo vamos chamar o marketing digital de apenas marketing.

Como todas as mídias, que quando surgiram, ainda passaram por um longo processo de evolução para se tornarem um sucesso (ex.: TV, rádio, etc), a internet, o marketing digital ainda vai evoluir muito frente ao que conhecemos hoje. Criticar o que temos hoje é um passo para não enxergar o que vem pela frente.

Com o tempo, e a tecnologia, cada vez mais vamos ser capazes de entender quando, como e onde cada pessoa está consumindo conteúdo, informação e publicidade. E isso não será apenas na internet ou no celular. Em breve, TV e rádio serão mais e mais sob demanda, e com essas características de entender onde/como/quando está seu consumidor. E se adaptar a isso.

Arora disse que o marketing é a nova finanças, querendo dizer que quem entende de matemática vai ter uma vantagem no novo marketing. Métricas serão cada vez mais importantes. Ele deu um exemplo interessante: antes se fazia amostragem, hoje o Google faz um teste com toda a opulação. Lançar um produto beta não é mais um experimento em que se expõe seu produto a uma parcela, amostra da população. Agora você mostra a todo o seu mercado alvo. Essa é realmente uma mudança incrível, e o Google é um exemplo de como fazer isso bem.

Outro exemplo legal foi o de realidade aumentada. Ao se filmar/fotografar um edifício com seu celular, ele automaticamente acessa web, e checa onde você está, o que tem de dados sobre aquele prédio (história, informações, etc). Isso vai influenciar tudo, inclusive a publicidade. Imagine mostrar mensagens relevantes para a pessoa certa, no lugar certo, na hora certa. A matemática por traz disso tudo deve ser mosntruosa, mas é o sonho de consumo dos marketeiros. Essa nova tecnologia pode ajudar a tornar todo anúncio envolvente, uma vez que você mede os resultados e só mostra o que é relevante.

Outro comentário interessante dele foi que o inventário de mídia está crescendo de forma muito mais rápida do que a capacidade atual de vender publicidade sobre essa mídia. Um dos grandes desafios vai além a venda. É a organização desse inventário de conteúdo. Imagine quantas páginas do orkut ou Facebook seriam interessantes para centenas se não milhares de empresas. O problema é que hoje não se consegue separar essas páginas de outras com pornografia, xingamentos, agressões, etc. Essa incapacidade de filtrar, organizara e separar o “joio do trigo” torna mais difícil (para não dizer impossível) vender esses espaços.

Duas frases muito interessantes:

  • O santo graal da publicidade é fazer com que ela se pareça com informação.
  • No futuro, tudo estará muito próximo de você.

Veja o vídeo resumo, do IAB, abaixo:

Read Full Post »

Older Posts »